O Livro de Eli

O Livro de Eli me surpreendeu em alguns momentos e me decepcionou em outros. Pra começar eu não conhecia o trabalho dos irmãos Huges e pelo que eu tinha ouvido falar eu fui assistir o filme esperando um blockbuster quase de ação. Ai é que fui surpreendido, o filme começa calmo, desértico e num clima bem diferente do que Hollywood faz atualmente quando te deixa colado na cadeira logo na primeira cena.

A história do filme é a seguinte, Eli(Denzel Washington) é um sobrevivente de um futuro pós-apocaliptico que pretende cruzar os EUA a pé, pois acha que foi incumbido da missão de levar os ensinamentos de um livro para um local onde seja preciso. No meio do caminho é impedido por Carnegie(Gary Oldman) um ditador que estabeleceu sua própria cidade com suas próprias leis e busca o livro como uma arma que lhe trará poder.

Aos poucos você começa a desconfiar do que se trata o livro, e não precisa ir muito longe no filme pra saber que se trata de um bíblia,, ai você se pergunta: mas o que uma bíblia tem de mais? O fato é que pelo que se entende da história o mundo foi devastado por uma guerra de grandes proporções que teve cunho religioso, então no pós Guerra todos os exemplares são destruídos, assim como diversos livros. O resultado é bastante óbvio, cria-se um geração de pagãos analfabetos, e é ai que eu acho que está a grande sacada do filme, na discussão do uso da fé, pois enquanto Eli quer usar os ensinamentos para motivar as pessoas Carnegie vê na religião uma forma de manipular as massas a seu bel prazer.

Eu sou ateu e tinha tudo pra não gostar dessa história, mas o que me cativou foi justamente esse embate, esse poder que a religião exerce sobre as pessoas, esse fanatismo exacerbado que é capaz distorcer a ideologia para o que me melhor lhe convém.

Atenção Spoilers a frente.

O que matou o filme pra mim foi o plot twist, achei uma muito exagerado, duas surpresas te pegam a la sexto sentido nesse momento, a primeira é que a bíblia está em braile, até ai ok porque alguém que não é cego pode aprender braile e ler assim uma vez que aquele é o ultimo exemplar disponível na face da terra, a segunda surpresa é Eli ser cego, isso foi foda, porra não tem como aquele cara ser cego depois do que você viu ele fazer no filme. E se parasse por ai tava bom broxei no cinema ao ver ele quase ser santificado e a garota sidekick virando a nova mensageira da “palavra da salvação”.

Bom, enredo a parte achei a parte técnica sensacional movimentos de câmera  inusitados, boa fotografia, lutes com ótima coreografia, atores bem dirigidos, Gary Oldman solto no papel, dando piti e pagando de doidão; e uma trilha sonora… ahh a trilha Sonora, é espetacular, minimalista ao mesmo tempo grandiosa, autentica e experimental.

O filme tem até ares de western com esse poster a la “Era uma vez no Oeste”

Enfim, O Livro de Eli não vai ser nenhum marco no cinema mundial, nem vai fazer você refletir sobre a vida, o universo e tudo mais, mas vale a diversão. Fica a dica pra quem quiser pegar um cineminha.

Diretor: Albert e Allen Hugues

Elenco: Denzel Washington, Gary Oldman, Jennifer Beals, Mila Kunis, Ray Stevenson, Lora Martinez, Luis Bordonada, Tom Waits, Frances de la Tour

Produção: Broderick Johnson, Andrew A. Kosove, Denzel Washington, Joel Silver

Roteiro: Gary Whitta

Fotografia: Don Burgess

Trilha Sonora: Atticus Ross, Leopold Ross, Claudia Sarne

Duração: 118 min.

Ano: 2010

País: EUA

Gênero: Suspense

Classificação: 16 anos

Anúncios

Do the Daft

Confesso que hoje passei o dia brincando com isso.

Quem conhece Daft Punk, vai gostar. A brincadeira consiste em montar a música programando no seu teclado as palavas  ou frases usadas na original, tudo isso usando o bg da musica, e você ainda pode escolher entre duas “tecnology ” e “harder, faster, better, stronger”.

Enfim, confere lá

http://www.dothedaft.com/

e se não gostou vai pro caralho.

Cartazes de Star Wars estilo segunda guerra

O site comic book movie divulgou recentemente uma coleção de cartazes de Star Wars em estilo retrô tipo aqueles da segunda guerra mundial que povoavam seus livros de história e faziam você perder tempo olhando pra eles e não prestar atenção na aula.

enfim, vejam ai e se não gostar vai…

Tim Burton

Hoje vou seguir uma linha um pouco diferente aqui. Um amigo me passou varias coisinhas legais que andam rolando o que eu achei legal vou postar.

Primeiro de tudo tenho que soltar um pouco do meu descontentamento com o mundo como já é de costume.

Enfim, Tim burton está preparando um “novo” filme, ele vai adaptar um antigo conto de fadas e deixar ele mais sombrio. Quanta originalidade sr. Burton.

A bola da vez agora é Bela Adormecida, no entanto ao que tudo indica a história será focada na bruxa que faz a pobre coitada empacotar adormecer.

O longa batizado e Malévola ainda não tem estréia prevista, mas não deve acontecer antes de 2012 (e talvez se passar do dia 21 de dezembro nunca aconteça) uma vez que o diretor se encontra encabeçando outros projetos.

De fato essa história serviu para alguma coisa lembrei desse video que eu vi uns dias atras. Fãs de Tim Burton a verdade é dura…

Sandman

Ha 22 anos, o mundo das HQs conhecia um novo personagem que veio a se tornar um dos mais conhecidos do selo Vertigo, Sandman.

Quando Neil Gaiman comçou a escrever Sandman, a Vetigo ainda não existia e Lord Morpheus fazia parte do Universo DC, o que proporcionou algumas coisas um tanto inusitadas, como seu encontro com o Caçador de Marte, porém muito interessantes.

Não tenho muito que comentar sobre o senhor dos sonhos pois ainda não terminei de ler a saga toda, alias fiquei feliz de saber que a panini vai lançar um encadernado de luxo em 4 volumes com toda a história.

Enfim fiz esse wallpaper em homenagem a ele e se alguem gostar pega ai.

Se não gostou se entenda com o divino.

Sonata ao Luar

É, fiz esse ai pra usar de wallpaper e quem gostar pega ai, enfim a inspiração vei do bom e velho Ludwig Van.

Escutem que vale a pena.

Gostou?

Algo sobre o Twitter

O maior obituário do mundo, o twitter, perderá nessa terça feira uma de suas maior fontes de conteúdo no Brasil, o BBB.

Quem tem conta nesse maravilhoso microblog sabe que durante a semana os assuntos mais comentados no TTBr, ou Trending Topics Brasil, são os impropérios de Pedro Bial e sua patotinha.

Como se assistir pessoas presas em uma casa não fosse bom o suficiente os telespectadores passam boa parte de seu dia comentando este glorioso programa no site do passarinho azul, e é nessas horas que eu paro pra pensar: Qual a relevância do TTBr?

Eu mesmo respondo. Nenhuma. Todos os “principais tópicos discutidos no Brasil” são besteiras, principalmente porque a maioria dos twits realcionados às hashtags em destaque nem comentam o fato e só estão marcados ela para o autor ter seus 5 segundos de fama na busca do assunto.

Enfim, o brasileiro tem esse ótimo costume de desvirtuar qualquer boa idéia, tá ai a wikipédia BR que não me deixa mentir.

não gostou? já sabe né?